REDES SOCIAIS
BUSCA DE NOTÍCIAS
Carregando
NOTÍCIAS
CNBB chama a atenção para o debate e a defesa dos direitos dos povos indíge - 09/08/2017
CNBB chama a atenção para o debate e a defesa dos direitos dos povos indígenas e quilombolas


Os bispos que compõem o Conselho Episcopal Pastoral (Consep), reunidos em Brasília, nesta terça-feira, 8 de agosto, manifestaram preocupação com questões que se apresentam para a sociedade a respeito das decisões sobre os direitos de povos tradicionais como os Indígenas e os Quilombolas.
Organizações que se ocupam na defesa desses povos, como o Conselho Indigenista Missionário (CIMI), consideram que se aproxima momento significativo na luta pelo respeito aos seus direitos básicos: no dia 16 de agosto será realizada no Supremo tribunal Federal (STF), a apreciação e voto de três ações que abordam questões que tocam a história e o futuro desses povos.
Um dos pontos principais dessa preocupação está no fato de que a Suprema Corte pode adotar, nos julgamentos, a tese do chamado “Marco Temporal”, segundo a qual só teriam direito à terra os povos que lá estivessem em 5 de outubro de 1988, data de promulgação da Constituição Federal.
Já na última reunião do Conselho Permanente da Conferência, em 22 de junho passado, os bispos reafirmavam esse compromisso: “Ao se colocar na defesa da vida dos povos indígenas, […] a CNBB o faz com a convicção de que o ‘serviço pastoral à vida plena dos povos indígenas exige que anunciemos Jesus Cristo e a Boa Nova do Reino de Deus, denunciemos as situações de pecado, as estruturas de morte, a violência e as injustiças internas e externas’ (Documento de Aparecida, 95) que ameaçam os primeiros habitantes desta Terra de Santa Cruz”.
A Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Social Transformadora da CNBB reuniu as pastorais sociais em Brasília, no início deste mês de agosto e, no dia 4, fez pronunciamento público manifestando solidariedade aos Indígenas e Quilombolas afirmando que expressam “incondicional solidariedade aos povos indígenas e quilombolas do Brasil”. E ainda afirmam: “A partir da análise da conjuntura nacional e latino americana em que claramente vislumbramos processos que retrocedem em direitos, encontramos as ameaças aos direitos territoriais destes povos, principalmente pelos interesses de setores econômicos, mormente dos ruralistas, que vêm no Congresso Nacional atacando direitos fundamentais assegurados na Constituição Federal de 1988”.
O CIMI encabeça campanha na qual afirma que o “Marco temporal”, que pode ser adotado em ações a serem julgadas pelo STF “legitima e legaliza as violações e violências cometidas contra os povos até o dia 04 de outubro de 1988: uma realidade de confinamento em reservas diminutas, remoções forçadas em massa, tortura, assassinatos e até a criação de prisões. Aprovar o “marco temporal” significa anistiar os crimes cometidos contra esses povos e dizer aos que hoje seguem invadindo suas terras que a grilagem, a expulsão e o extermínio de indígenas é uma prática vantajosa, pois premiada pelo Estado brasileiro. A aprovação do marco temporal alimentará as invasões às terras indígenas já demarcadas e fomentará ainda mais os conflitos no campo e a violência, já gritante, contra os povos indígenas”. E conclui: “Afirmar que a história dos povos indígenas não começa em 1988 não significa, como afirmam desonestamente os ruralistas, que eles querem demarcar o Brasil inteiro. Os povos indígenas querem apenas que suas terras tradicionais sejam demarcadas seguindo os critérios de tradicionalidade garantidos na Constituição – que não incluem qualquer tipo de ‘marco temporal’”.

Outras Notícias
LUTO - NOTA DE FALECIMENTO
Sábado, 23 de Junho de 2018
VER MAIS
LUTO - DIOCESE DE CAMPO MOURÃO
Segunda-Feira, 21 de Maio de 2018
VER MAIS
Papa: a fé se transmite com amor e testemunho
Quinta-Feira, 10 de Maio de 2018
VER MAIS
Novena a Nossa Senhora de Fátima
Quinta-Feira, 10 de Maio de 2018
VER MAIS
Presidência da CNBB participa de Encontro de Bispos dos Países Lusófonos
Quinta-Feira, 10 de Maio de 2018
VER MAIS
Papa Francisco: trabalho significa dignidade, significa amar
Quarta-Feira, 9 de Maio de 2018
VER MAIS
Papa: "O silêncio de José é habitado pela voz de Deus"
Quarta-Feira, 9 de Maio de 2018
VER MAIS
Papa Francisco no Divino Amor: rezemos juntos pela paz na Síria
Quarta-Feira, 9 de Maio de 2018
VER MAIS
Hoje a Igreja celebra os Papas Santo Anacleto e São Marcelino
Sexta-Feira, 27 de Abril de 2018
VER MAIS
Papa: não estamos sós na luta contra o mal
Sexta-Feira, 27 de Abril de 2018
VER MAIS
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 PRÓXIMO ARQUIVO DE NOTÍCIAS
DIREITOS RESERVADOS - DIOCESE DE CAMPO MOURÃO - 2012
DESENVOLVIDO POR: